Amar é…

Amar é ser prestativo sem qualquer segunda intenção.


Amar é entender quê, para uma criatura do gênero feminino,
mais importante que ouvir é ser ouvida.
Não importa o que um homem tem a dizer para ela
porque jamais será mais importante que o que ela tem a dizer para ele.


Amar é acabar com a guerra entre a toalha molhada jogada em cima da cama
e a calcinha lavada pendurada na torneira do chuveiro.


Amar é fazer de um sussurro uma declaração.


Amar é perder o sono buscando uma resposta
para uma discussão de relacionamento.


06 - Amar é... - 07 (PSE)

Amar é sentir saudade das noites de discussão de relacionamento.


Amar é plantar a alegria na dor.


Amar é não ter medo de se jogar.


Amar é ter no rosto, ao mesmo tempo, riso e choro.


Amar é ela fingir que não manda e ele fingir que não obedece.


Amar é caçar um motivo para brigar só para, depois, pedir perdão e fazer as pazes.


Amar é fazer do sofá um porto.


Amar é querer desenhar no céu o que está tatuado nas almas.


Amar é descobrir que uma das melhores partes de um relacionamento
não é conhecer o corpo de uma mulher durante o sexo,
e sim a alma de uma mulher durante o amor.


Amar é para sempre.

 

 

 

Anúncios

Muitas Coisas em Poucas Palavras

Olhos
para o céu cheio de estrelas
do mar.

Rosa-dos-ventos
para jardins suspensos não caírem
em si.

Bússola
para ancorar nuvens
de algodão.

Lei
para assegurar guarda
chuva.

Latim
para a cólera dos caninos
e de todos os outros dentes.

Demônio
para corromper o fiel
da balança.

Agulha
para desfazer nó
em pingo d’água.

Peneira
para tomar sopa
de letrinhas.

Rima
para condenar versos
livres.

Batom
para escrever poesia no céu
da boca.

Co-oração
para morrer de saudade
do seu sorriso.

Absurdo
para enxergar
o óbvio.

Many things in few words, ??? ?????????.

Literatura e Filosofia

??? ?????????, era o seu verso e a minha frase se misturando, se encontrando e se perdendo, poesia romântica ou romance poético não sabendo, não sabendo, mas sentindo muito, sentindo muito prazer, prazer por transformar a leitura em fazer sem qualquer pudor por não rimar prazer com amor. E passávamos da literatura à filosofia num piscar de sussurros quando a verdade do meu imoralismo questionava a falsidade da sua candura e, antes que os seus olhos derramassem um gemido, eu retocava o seu sorriso. Brigávamos só para fazer as pazes, só para que a cama fosse uma página onde o perdão abraçava o arrependimento. Como era bom quando líamos e escrevíamos um no outro um ato de amor ao conhecimento…

Um carinho sem nome…

Talvez, por minha culpa e algumas coisas entre nós terem ficado mal viradas, não sei por onde começar, mas preciso, seja começo, meio ou fim, descobrir onde está o que um dia perdi.

Lembro-me de ter dito a você que a maior distância entre duas pessoas é o silêncio. Lamento e me arrependo de alguns erros graves que cometi e me afastaram de você e da sua família. Lembro-me da vergonha que senti, e ainda a sinto, por cometê-los e estar vivendo ainda a (in)consequência deles. Lembro-me também de ter prometido a você estar próximo, de alguma forma, e não me esqueço de não o ter conseguido fazer. Sempre havia sido forte para encarar as vicissitudes que todos enfrentamos, mas não consegui estar nem mesmo em mim quando algumas coisas aconteceram, tiraram o meu chão. Ainda assim, deveria estar perto de quem tão bem me quis e o fez a mim, e não consegui.

Lembro-me de ter dito a você que a distância que afasta é a mesma que aproxima. Quando consegui reencontrá-la, o tempo já havia feito perder as mãos e os pés, o jeito. O jeito de escrever e caminhar nos seus olhos. Vaso quebrado e leito de rio… Recomenda a prudência não tocar no que foi quebrado, para não o partir de uma vez por todas. Recomenda a prudência deixar a poeira cair em leito de rio, para que não fique turvo onde a corrente precisa ser clara. Nunca pensei que por um tempo não saberia o que dizer a você, como e quando. Nunca pensei sentir quem foi tão perto estar tão longe dos meus olhos.

Lembro-me de ter dito a você que o tempo tanto cura quanto envenena. Algumas coisas aconteceram, outras não. Perdi tantas coisas e pessoas quê, para explicar o porquê, precisaria de uma agulha, para costurar desculpas esfarrapadas, porque as justificativas se perderam no fio da meada. As ausências ensinaram a mim que o ser humano sofre porque espera, espera de esperar e esperança, porém não acredito quê, algum dia, aprenda a lição. O tempo não é capaz de ensinar a mim o que não sei deixar de sentir. E agora, que vejo você tão perto outra vez, ainda tenho receio de que uma mensagem se transforme num mal-entendido, não sei o que fazer para que as minhas palavras possam tocar o seu coração.

Gostaria de não ter um jeito tão complicado de dizer algumas coisas tão simples. Sei que o momento não é bom para você e ele também não o é para mim. A minha tormenta ainda não terminou e continua a me castigar. Não sei qual poderia ser o melhor momento para lhe pedir algo de que não me lembro se um dia pedi a uma mulher, mas espero que não seja tarde demais. Lamento que o meu egoísmo, a minha vaidade cardíaca, o meu mau jeito para (des)fazer algumas coisas e dizer outras, o meu silêncio, a minha distância e o meu tempo tenham destruído, acredito eu, a mais bela afeição com a qual poderia sonhar e que jamais poderia merecê-la. Espero que não seja tarde demais para descobrir onde está o que um dia perdi, a nossa amizade. Espero que você me perdoe por tudo o que de errado fiz. Se você soubesse o quanto a admiro…

Sei que somos prescindíveis um ao outro, que nossos cotidianos não se encontram mais, que nossos caminhos vão para lugares diferentes, mas gostaria de ler o seu sorriso outra vez, e não sei se você o permitiria. Gostaria de poder ter dito a você, nos seus olhos, o que escrevi. Espero não estar sendo indelicado, inoportuno e inconveniente, pois não encontrei outro meio além deste. E ainda que a vontade do coração possa se transformar no desgosto da razão, prefiro correr riscos a ser corrido por eles e não quero deixar para amanhã o que deveria ter sido feito há tanto. Quanto mais for amanhã, mais ontem acredito que um laço fraterno possa se afastar de mim, transformando a ausência do seu sorriso num nó cego no meu peito. E ainda que não possamos conversar tantas vezes e por tanto tempo quanto um dia pudemos, gostaria de que um dedo de prosa seu pudesse trazer paz ao pé de guerra do meu coração. Ainda há muitas coisas, em mim e ao meu redor, para serem reconstruídas. Não será fácil estar em lugares estranhos, onde jamais imaginei, mas poder reconstruir algumas amizades seria mais que um desejo, um sonho.

Se você não puder ou quiser conversar comigo onde, um dia, sempre nos encontramos, fazer o quê? Fui até onde poderia ter ido. Fui além da vontade de dizer o que está no meu coração. Se puder ou quiser dar o próximo passo, ficarei perdido de tanto me achar…

 

Paz e um carinho sem nome, ????? ??? ????????.

O Anel

???????, não precisava ter dado um tapa na minha cara por eu ter tirado o seu anel de casamento enquanto fazíamos amor. O seu orgulho me perdeu por não ter sido você a escolhida para, juntos, perdermos as virgindades dos nossos corpos, e a minha vingança foi ter deflorado a sua fidelidade. A castidade moral não se perde na cama, perde-se na consciência, e o peso dela é bem maior que o do meu corpo sobre o seu. Ter terminado antes do fim só vai aumentar o seu desejo para recomeçar comigo.

Vestir-se às pressas não apagou a marca do nosso pecado nem a que deixei no seu pescoço, e que a sua manha revelou, jogando o cabelo para trás como quem diz, feito criança, “Olha o que você fez em mim!…” O seu rosto virado contra o meu não escondeu o que borrou ainda mais a sua maquiagem antes riscada por gotas de suor. Se tudo foi um erro, por que ter deixado a porta do quarto aberta depois de não olhar para mim ao sair? O remorso numa partida só dura até a vergonha rendida na próxima chegada, e um arrependimento passional sempre volta ao local do crime.

Não diga que o seu lar foi destruído porque ele nunca foi construído, e isto é sabido não só por nós dois. A mentira que você escolheu para me castigar por não ter sido eu a levá-la ao altar não vai protegê-la de si mesma. Se a nossa paixão se perdeu na adolescência, por que não a encontramos, de uma vez por todas, na imaturidade premeditada dos nossos impulsos antes que seja tarde demais? Vamos acabar com o nosso descaso antes que sejamos as maiores vítimas dele. Uma verdade faz feridos, mas não causa baixas. Ou nos cuidamos em público, ou nos machucamos escondidos. A escolha é sua, mas não se esqueça de que não é só a sua aliança que ainda está na minha mão.